Escolhendo vinho

Desvendando o rótulo (Parte I ? Velho Mundo)

Quando saímos de casa para comprar um vinho, no geral já temos uma ideia sobre aquilo que desejamos, mas como eleger um entre tantos rótulos disponíveis no mercado? Uma boa saída para este dilema está na compreensão dos mesmos.

Rótulos de vinhos contém um grande número de informações que quase nenhum outro produto tem em sua embalagem. Precisam ser detalhados para que os compradores possam saber o máximo de características possíveis sobre o vinho. Funcionam como um intermediário entre o consumidor e as complexas normas e leis que regulamentam o universo enológico em seus diversos países produtores. 

Os principais países do Velho Mundo do vinho são França, Itália, Espanha, Portugal e Alemanha. Todos têm a obrigação legal de informar em seus rótulos dados que abranjam a qualidade, autenticidade e padronização do vinho. 
 
São eles:
 
1 - País de origem - famoso “made in” de outras mercadorias,
2 - Denominação de origem - essa informação é geralmente geográfica  (exe. Bordeaux, na França), mas pode ser também uma variedade de uva ou vinho específicos , como o “Rosso Umbria” italiano (vide rótulo abaixo),
3 – Volume de liquido da garrafa - como padrão temos 750 ml ou 75 cl,
4 - Graduação alcoólica - expressa em percentuais ou graus, de 8,5% a 15%,
5 - Nome e endereço do engarrafador ou produtor – na ausência destes, o número do lote é suficiente para rastrear o vinho até a sua origem,
6 - Classificação de qualidade – cada pais tem sua própria nomenclatura para a qualificação dos vinhos, segundo quadro abaixo:
 
 
Para ilustrar tanta informação, a seguir vemos dois rótulos do Velho Mundo. O italiano está indicado com os números correspondentes às citações acima.

 
Agora, aproveite a dica e tente desvendar o rótulo francês...
 
Vale sempre lembrar que a safra (dado não obrigatório, mas todo vinho de qualidade contém em seu rótulo) e o produtor são importantes indicadores de um bom vinho.
 
Então fique de olho! Leia os rótulos com atenção e informe-se com um especialista sobre as melhores safras e produtores antes de fazer a sua escolha.
 
Assim como o vinho, as palavras são reveladoras... in vino veritas!
 
  • Marcelo Ferrari

Outros Artigos

Os vinhos "kiwi" em Natal

Embora ambos os países estejam muito próximos geograficamente, cada um tem seu clima particular e isto reflete diretamente nos vinhos produzidos em cada um deles.   A Austrália tem a maior parte de seus produtores no sudeste do país, onde não é tão quente quanto no norte. Com clima temperado e dias ensolarados, os vinhos são leves e frutados, mas com sabor complexo. São conhec...

Outubro Rosa / Rosé

O rosé é quase uma unanimidade entre as mulheres mundo afora, em especial os espumantes, mas este tipo de vinho, espumante ou não, tem muito a crescer no mercado brasileiro, apesar de ser possível encontrar bons rosés tanto em lojas especializadas quanto em sites de distribuidoras e empórios.   Esta tipologia de vinho pode ser obtida de duas formas, a primeira através da mistura...

Adega ou Supermercado, eis a questão

Com frequência sou questionado nas degustações ou por amigos sobre onde comprar vinhos. Foto: Thyago Macedo / Revista Deguste Pois bem, aqui vão algumas questões que devemos analisar para decidir quando comprar em uma loja especializada (adega, empório, distribuidora de bebidas) ou em um supermercado:   1) Preço ...

O Vinho e o Chocolate

Alguns anos atrás, falar em combinar vinho e chocolate seria quase uma “heresia” para a maioria dos expertos, mas como os conceitos de harmonização vêm mudando constantemente, hoje em dia já não é mais um absurdo. Na verdade, existe uma gama de produtores de chocolate, principalmente na Europa, que está investindo em parcerias com vinícolas para divulgar a harmonização destes pro...

> leia mais

Comentários

  • Deguste
    Vera Helena disse:

    Parabéns! Adorei.

    Responder

Deixe seu comentário