Como Água para Chocolate

O poder alquímico entre a comida e o desejo amoroso

 

Como água para chocolate trata-se de um filme adaptado de livro homônimo, cuja direção está sob a responsabilidade de Alfonso Arau, e o roteiro é da própria autora do romance e esposa do diretor, Laura Esquivel. O espaço onde se desenrola as ações das personagens é o interior do México no início do século XX. A temática gira em torno do romance proibido entre Pedro e Tita, a filha mais jovem da família. Esta se encontra impossibilitada de concretizar seu amor, pois, segundo a tradição familiar, cabe a filha mais jovem ficar solteira para cuidar da mãe até o término de sua vida, por isso, Pedro contrai matrimônio com a irmã mais velha de Tita, Rosaura, mesmo sem amá-la, só para ficar perto daquela que realmente ama. Fato que atormenta Tita durante todo o desenrolar da história. A crítica, no período do lançamento da película, considerou o texto para o cinema muito próximo à obra escrita e por apontar a condição da mulher mexicana da época.

Todavia, é o componente gastronômico que se constitui como um fio condutor da trama desenvolvida pelos personagens principais através de metáforas, cujos alimentos assumem papel representativo em grande parte. É através deles que Tita expressa seus desejos e sentimentos de amor, sacrifício e abnegação, assim como também os transmitem aos demais. Tita, que fora criada nos braços de Nacha, cozinheira da fazenda, envolta nos aromas mágicos da cozinha, assimila a sabedoria desta, e passa a desenvolver o dom alquímico para arte culinária, transpondo para os alimentos os seus mais profundos sentimentos, que transcendem para os comensais.

Esse dom desabrocha através de uma das cenas mais bela do filme, quando a protagonista prepara um banquete à base de codornas com molho de pétalas de rosa (as quais lhe haviam sido oferecidas por Pedro). Durante o processo de preparação do prato, Tita transfere para o mesmo toda a sensualidade e desejo de amor não realizado, o que desperta recordações do grande amor em cada um que se delicia do cardápio. Tal atmosfera potencializa um sentimento incontrolável que faz desabrochar toda a libido reprimida nos presentes, provocando a tomada de decisão em alguns personagens que fogem em busca de sua própria liberdade e realização de seus sonhos podados. Assim, é neste cenário, análogo ao clássico Romeu e Julieta, porém envolto em um ritual que envolve a magia do elo alimento/vida, aroma/perfume, sabor/sensação, textura/sensualidade que o filme foi considerado uma obra-prima, conquistando o prêmio de melhor filme no Festival de Gramado de 1993. Vale, ainda, acrescentar que expectador além de se transportar para a história romanesca, contempla um cenário de época primoroso em detalhes e sabor que aguçam todos os sentidos!
 
TÍTULO ORIGINAL: Como Água Para Chocolate
ANO: 1993
PAÍS DE ORIGEM: México
IDIOMA: Espanhol
DURAÇÃO: 113 min
DIREÇÃO: Alfonso Arau
ELENCO: Marco Leonardi; Lumi Cavazos; Regina Torné; Mario Iván Martinéz; Ada Carrasco; Yareli Arizmendi; Claudette Maillé; Pilar Aranda; Farnesio De Bernal. 
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário