Adega ou Supermercado, eis a questão

Com frequência sou questionado nas degustações ou por amigos sobre onde comprar vinhos.

Foto: Thyago Macedo / Revista Deguste
Pois bem, aqui vão algumas questões que devemos analisar para decidir quando comprar em uma loja especializada (adega, empório, distribuidora de bebidas) ou em um supermercado:
 
1) Preço
Os supermercados focam no consumo massificado, ou seja, o público que vai buscar produtos de consumo diário acaba tendo a opção de adquirir também um vinho para o seu dia-a-dia, com custo não muito alto para não destoar dos outros itens de seu carrinho de compras. 
Em contrapartida, as adegas trabalham com uma clientela específica, mais elitizada e exigente, disposta a investir em vinhos mais caros e para ocasiões especiais. Podemos dizer que todo cliente de adega é também cliente de supermercado, porém nem todo consumidor de supermercado compra em empórios.
 
2) Logística e manuseio
Os negócios especializados em comercio de vinho e produtos finos tem todo um cuidado especial ao armazenar o produto em seus estoques. Quando expostas em gôndolas ou prateleiras, as garrafas estão devidamente deitadas e climatizadas em temperatura ideal.
Já nos supermercados, os vinhos estão dispostos em pé nas gôndolas e em temperatura ambiente (em torno de 21°C dentro das lojas). Também nos depósitos e centros de distribuição, não há um protocolo diferenciado para o manuseio de garrafas de vinho.
 
3) Ajuda de um especialista
As lojas especializadas sempre contam com um vendedor que possa ajudar na escolha do vinho ideal para a ocasião desejada. Os melhores negócios dispõem de sommeliers formados que acumularam grande experiência durante a vida, participando de degustações e cursos, além do contato diário no desenvolvimento de suas funções no trabalho.
Em grandes centros de compra, o máximo que se pode encontrar é um “promoter” de alguma marca específica, que informa com o intuito de vender o seu produto.
 
Gostaria de deixar claro que não tenho nada contra comprar vinhos em supermercados, é possível ser um consumidor flexível que adquire vinhos rotineiros nos grandes centros de compra e, além disso, consome vinhos mais encorpados e elaborados em empórios e adegas.
E, como sempre, “in vino veritas”, não temo em confessar que também sou consumidor “flex”. E você?
 
  • Marcelo Ferrari

Outros Artigos

Os vinhos "kiwi" em Natal

Embora ambos os países estejam muito próximos geograficamente, cada um tem seu clima particular e isto reflete diretamente nos vinhos produzidos em cada um deles.   A Austrália tem a maior parte de seus produtores no sudeste do país, onde não é tão quente quanto no norte. Com clima temperado e dias ensolarados, os vinhos são leves e frutados, mas com sabor complexo. São conhec...

Outubro Rosa / Rosé

O rosé é quase uma unanimidade entre as mulheres mundo afora, em especial os espumantes, mas este tipo de vinho, espumante ou não, tem muito a crescer no mercado brasileiro, apesar de ser possível encontrar bons rosés tanto em lojas especializadas quanto em sites de distribuidoras e empórios.   Esta tipologia de vinho pode ser obtida de duas formas, a primeira através da mistura...

Adega ou Supermercado, eis a questão

Com frequência sou questionado nas degustações ou por amigos sobre onde comprar vinhos. Foto: Thyago Macedo / Revista Deguste Pois bem, aqui vão algumas questões que devemos analisar para decidir quando comprar em uma loja especializada (adega, empório, distribuidora de bebidas) ou em um supermercado:   1) Preço ...

O Vinho e o Chocolate

Alguns anos atrás, falar em combinar vinho e chocolate seria quase uma “heresia” para a maioria dos expertos, mas como os conceitos de harmonização vêm mudando constantemente, hoje em dia já não é mais um absurdo. Na verdade, existe uma gama de produtores de chocolate, principalmente na Europa, que está investindo em parcerias com vinícolas para divulgar a harmonização destes pro...

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário