Culinária francesa? Bien sur!

Comer um croissant em uma típica boulangerie, degustar os vinhos locais, escolher entre centenas de opções de queijo, jantar em um ‘restaurante três estrelas’ ou em outro que, embora não estrelado, serve algum prato magnifique, como bem indica a fila de espera... Quem viaja para a França sonha com a culinária local.
 
   
E não é para menos. Os franceses são completamente apaixonados por comida. E essa paixão é reconhecida pelo mundo inteiro. De fato, a gastronomia é uma parte importante da cultura do país e é levada muitíssimo a sério. Para eles, todas as refeições devem ser perfeitas: o chef precisa se preocupar com a qualidade dos ingredientes, a técnica correta de preparo e a apresentação do prato. Esse cuidado faz com que a culinária francesa seja considerada uma das melhores do mundo, tendo sido reconhecida pela UNESCO como um patrimônio da humanidade.
 
A relação da gastronomia com a cultura francesa vem da Idade Média. Desde aquela época, apesar de outros modos de preparo, a preocupação com os ingredientes e a apresentação já existia. A maior diferença, talvez, estivesse na forma de servir os pratos. Se hoje a norma da cozinha francesa é servir a refeição como uma sequência de pratos individuais, antigamente vigorava o chamado “service en confusion” (serviço confuso): vários pratos servidos ao mesmo tempo. O formato atual, entendido como mais elegante, só apareceu com o Rei Luis XIV, o famoso “Rei Sol”. Hoje, uma refeição completa na França é composta de entrada, prato principal, salada, queijos e sobremesa, nessa ordem. E tem mais: os franceses acreditam que uma refeição deve durar o tempo equivalente ao preparo da mesma, ou seja: almoços podem facilmente durar duas ou três horas!
 
Outra tendência que se observa pelas ruas é a especialização dos estabelecimentos. Os melhores restaurantes parisienses estão se especializando em poucos pratos. Geralmente são três ou quatro opções, mas há também aqueles que oferecem prato único e estão sempre com fila na porta!
 
Além de lugares mais sofisticados, na capital francesa, há muitos outros estabelecimentos chamam a atenção, desde as típicas boulangeries (que só vendem pão), fromageries (queijos) e caves (vinho) até as fabulosas pâtisseries e crêperies.
 
Você sabia que... existe uma rivalidade acirrada entre duas docerias especializadas em macarons que divide as opiniões dos parisienses tanto quanto um Corinthians X Flamengo no Brasil? A melhor sorveteria do país só tem uma loja? As melhores creperias da cidade estão lotadas, especialmente no meio da tarde? O cuscuz marroquino é considerado parte da culinária local e é o terceiro prato mais consumido na França?
 
Nesta nova coluna queremos dividir com você nossa experiência gastronômica e dar dicas para suas próximas vindas à Cidade Luz. Vamos explorar a culinária francesa, direto da capital mundial da gastronomia: Paris. Nossa proposta é falar das tendências locais, comentar sobre a história, os lugares e os pratos que você precisa provar. Mas não pense que daremos receitas, discutiremos preparos ou faremos ranking de restaurantes. Não somos chefs, nem críticos. Como você, somos fãs da cozinha francesa, por isso aproveitamos todas as oportunidades para compreendê-la melhor e apreciar novas delícias... Assim, esse nosso primeiro contato é para fazer-lhe um convite: vamos conosco nessa viagem? Juntos estaremos, mordida a mordida, ‘Saboreando Paris’.
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário