Um arco-íris de sabores

Claras de ovos, açúcar e farinha de amêndoas. Os ingredientes não são muitos, porém, nas mãos de un bon pâtissier, essa temperamental mistura se torna uma delícia que satisfaz o paladar e a visão. Sabe do que estamos falando? Não é difícil de adivinhar. Os macarons conquistaram o mundo!

 

Essa pequena guloseima virou uma febre mundial, e pode ser encontrada em vários lugares do mundo. Na França, é tão popular que até o McDonalds teve que se render aos seus encantos, e esse hibrido de biscoito e suspiro pode ser encontrada nos McCafés do país.
 
 
Apesar de toda essa afinidade com a França, o macaron é uma criação italiana, que foi trazida a Paris pelo cozinheiro de Catherine de Medici em 1553, quando ela se casou com o futuro rei da França. Nessa época, os doces eram um pouco diferentes: a “massa” não era recheada. O recheio só apareceu no século XX, quando Pierre Desfantaines, um parente do famoso Louis Ladurée (a mente brilhante por trás do primeiro salão de chá de Paris, o Ladurée), resolveu inovar e usar um recheio pastoso de chocolate para “colar” dois macarons. E, assim, criou o “macaron parisien”!
 
A receita é a mesma há cerca de 150 anos, e o macaron da Ladurée continua sendo considerado um dos melhores de Paris. Na belíssima loja, com decoração tradicional em cores pasteis, como os macarons, o cliente se sente entrando em um sonho... Lá se pode encontrar uma dúzia de cores e recheios, especialmente os sabores mais tradicionais, como chocolate, caramelo com flor de sal, pistache e frutas vermelhas. 
 
Seu maior concorrente é o “novato” Pierre Hermé, chef que abriu seu próprio negócio após trabalhar na Ladurée por anos. Dizem que ele pediu demissão porque se sentia oprimido por não poder testar novos sabores e combinações... exatamente a característica que o levou à fama. A loja de Pierre Hermé tem decoração mais moderna, dando destaque ao colorido dos docinhos. Os macarons tradicionais estão presentes, porém o carro-chefe da pâtisserie é seu gosto pelas misturas inusitadas, como azeite de oliva com baunilha, framboesa com pétalas de rosa e até chocolate com foie grãs, o que, por sua vez, também amplia a palheta de cores do produto.
 
Os parisienses não conseguem entrar em um consenso. Enquanto alguns preferem o tradicional Ladurée, outros não abrem mão das novidades de Pierre Hermé. Ou seja: ao chegar em Paris, é preciso provar os dois! E nós só saímos ganhando com isso.
 
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário