O mundo gourmet: uma definição pessoal

 
São muitas as gourmandices da era pós-moderna. Refeições, lanches, cafés, chocolates, vinhos e toda sorte de produtos convidativamente adornados, cujo objetivo de consumo transcende o próprio consumo. E não está nem aí para a saciedade, seu alvo é a satisfação que nunca se satisfaz.
 
A palavra gourmet é de ascendência francesa, e traduz-se por: pessoa que sabe apreciar. Os bons gourmets do século XXI são avessos à padronização e à industrialização dos alimentos, e às comidas dos fast-food, porém são muito simpáticos aos conceitos do slow food e da eco-gastronomia, e suas razões não são modismo da era digital, mas suas convicções filosóficas.
 
Ser gourmet está na moda e na pauta prioritária do dia. Mas ser gourmet dista absolutamente de ser glutão, de ser seletivo ou preconceituoso com quaisquer alimentos e bebidas. O gourmet é um sujeito que sabe apreciar mesmo as coisas mais simples (não sofisticadas) e mais acessíveis (baratas), identificando a qualidade, pureza e conceito estético do objeto de sua apreciação, dentro de um contexto histórico: tempo, lugar, pessoas envolvidas, condições, criatividade e ingredientes utilizados.
 
Para o gourmet, o objeto da apreciação é o alimento, não a fama do Chef, a sofisticação e/ou beleza estética do prato ou seu preço impagável. É importante esclarecer que o gourmet não é, necessariamente, um crítico profissional, mas todo crítico gastronômico ou de vinho tem de ter uma veia gourmet.
 
Ser gourmet requer maturidade sensorial, experiência, muito treino com talheres, isenção absoluta de preconceito, e, se possível, conhecimento técnico. Ele não precisa saber cozinhar, pois ele não é, necessariamente, um crítico de gastronomia, mas um apreciador, que o faz com modéstia e conhecimento de causa, pois sabe identificar o que tem qualidade hedônica e porque a tem.
 
É bem verdade que para um gourmet, não é apenas a necessidade fisiológica (a fome) que conta, mas, sobretudo o prazer, no entanto isso não está essencialmente associado a preço, sofisticação ou fama do Chef, mas a satisfação que um alimento ou bebida podem proporcionar. Há, também, no gourmet, uma busca por alimentar o intelecto e o seu senso estético. Mas, para ele, o alimento é o seu objetivo, tendo em vista satisfazer as expectativas mínimas, que vão muito além da saciedade.
 

Outros Artigos

> leia mais

Comentários

Deixe seu comentário