Adega São Cristóvão promove degustação com grandes vinhos australianos

Fotos: Benicio Siqueira

Com o sugestivo título de “O Melhor da Austrália”, a Adega São Cristóvão, em parceria com a importadora KMN, promoveu, ontem à noite, uma degustação com cinco rótulos de excelentes vinhos daquele país.

 
A degustação, seguida de jantar, aconteceu no salão de eventos do hotel Majestic, em Ponta Negra, e foi conduzida pela diretora da KMN, Marli Predebon, que pelo segundo ano seguido participa em Natal desse tipo de evento. 

 
Antes de apresentar os vinhos, Marli passou para os convidados algumas informações sobre a história do vinho na Austrália, que teve as primeiras videiras plantadas em 1788 pelo colonizador inglês Arthur Philip, em Farm Cove, Sidney. O país tem hoje cerca de 2.600 vinícolas, que juntas cultivam 165 mil hectares de vinhedos e elaboram 1 bilhão e 450 milhões de litros de vinho por ano. 

Maîtres responsáveis pelo servico durante o evento

Esses números conferem a Austrália à condição de sétimo maior produtor mundial de vinhos, e terceiro maior exportador do mundo em valor, atrás apenas da França e Itália. É, também, o quarto maior exportador, depois da França, Espanha e Itália, sendo o segundo país que mais exporta para os estados Unidos, depois da Itália.

Médico Madson Vidal atento a palestra realizada no salão do Majestic

O primeiro vinho degustado foi o Plexus SGM 2006, de John Duval, considerado um dos melhores enólogos do mundo, vindo de uma família que ostenta quatro gerações de vinicultores de South Austrália. O Plexus é um blend com 52% de Shiraz, 30% de Grenache e 18% de Mourvèdre, maturado 100% em barris por 16 meses. Apresenta coloração vibrante e no nariz é repleto de aromas de especiarias, mostrando um belo conjunto de frutas vermelhas. Na boca tem paladar de compota de frutas escuras e especiarias. Possui 14,5% de álcool.

 
O segundo rótulo foi o excelente Yalumba Hanpicked 2005, elaborado com apenas duas uvas, 95% Shiraz e 5% Viognier. Apresenta cor vermelho-púrpura e aromas de amora, cereja preta e especiarias complexas. Tem um estilo elegante e na boca mostra um paladar de chocolate doce, frutas escuras e especiarias exóticas. Está pronto para beber agora mais pode ser adegado por oito ou dez anos. Este vinho recebeu 93 pontos de Robert Parker.

 
O Sandalford Premium 2004 foi o primeiro varietal apresentado por Marli Predebon, elaborado com a uva Shiraz de vinhedos de 35 anos plantados na região de Margareth River e Frankland River. Olfato e paladar apresentam sabores de ameixa e amoras pretas e vermelhas, além de uma pimenta picante, característica da Shiraz, uva símbolo da Austrália. Estagiou por 15 meses e carvalho americano, sendo 85% em barricas novas e 15% em barricas com um ano de uso.  Para quem tem paciência, ele pode ser adegado por mais dez anos, quando estará na sua plenitude.

Alexandre Santana, da Adega São Cristóvão, e Marli Predebon, diretora da KMN

Outro grande Shiraz degustado foi o Mistress Block 2005, da região de Hunter Valley. Com 13,5% de álcool, apresenta excelente concentração de cor de tonalidade de vermelho intenso com violeta. Possui aromas atraentes de chocolate e cereja escura, e na boca evidencia o sabor de fruta madura. Tem um final equilibrado e persistente. É ideal para acompanhar um ossobuco, carne vermelha, cordeiro ou queijos.

 
O último vinho da degustação foi o surpreendente e maravilhoso McRae Wood 2006, da região de Clare Valley. Elaborado 100% com Shiraz, esse vinho é encorpado sem ser pesado e tem coloração vermelho-rubi e violeta. Os aromas são sedutores e evocam frutas escuras como amora preta e framboesa. O paladar é marcante com sabores de ameixa, cereja preta, café e especiarias. Tem taninos muito elegantes com duradouro retrogosto, para a satisfação dos apreciadores de bons vinhos. O McRae Wood passou por 15 meses em barricas de carvalho americano e pode ser guardado até 2020. Mas ele já está pronto para ser bebido agora, como ficou comprovado durante a degustação.

Salada de Radicchio com camarão e redução de cajá foi a entrada
Advogado Renato Duarte aprova os vinhos australianos

O menu do jantar foi elaborado  pelo restaurante La Brasserie de La Mer, que tem a assinatura do famoso chef francês Erick Jacquin. De couvert foi servido um Amuse-Bouche. A entrada foi uma leve e saborosa Salada de Radicchio com camarão e redução de cajá, que casou perfeitamente com o vinho Oxford Landin Chardonnay, de aromas complexos de pêssego e frutas cítricas.  

 
O prato principal foi o famoso Cordeiro de seis horas com fricassé de feijão verde. Como sempre, o cordeiro estava tenro e delicioso, e foi muito bem escoltado pelo vinho também australiano Tatachilla McLaren Vale, um Shiraz com tons violáceos e aromas de nozes e especiarias.  A sobremesa ficou por conta do tradicional Crème Brulée, desta vez de Nutella. O vinho escolhido foi o 3 Bridges Golden Mist Botrytis, feito 100% com a uva Sémillon. 

 
No final, era visível a satisfação dos convidados da Adega São Cristóvão com a escolha dos vinhos e do menu, além da excelente apresentação da simpática Marli Predebon, que se despediu dizendo que espera voltar a Natal no próximo ano. 

McRae Wood Shiraz 2006, o melhor vinho da degustação

Adega São Cristóvão
Avenida da Integração, 2179
Candelária - Natal/RN
Fone: (84) 4006-6370

Comentários

Deixe seu comentário

voltar <