Os 100 anos da Dore Refrigerantes

A empresa conta hoje com unidades fabris na PB e no RN

 Fotos:Canindé Soares/Deguste
 
 Fábio Dore(e), diretor de Marketing, ao lado do empresário Walter Dore


Quando o em­pre­sá­rio pa­rai­ba­no Walter Byron Dore nas­ceu, já ha­via 13 anos que seu pai, o in­glês Sidney Clement Dore (1869/1955) fun­da­ra a in­dús­tria de re­fri­ge­ran­tes Dore, que te­ve, co­mo pri­mei­ra se­de, o mu­ni­cí­pio de Paraíba, que era co­mo, na­que­la épo­ca, cha­ma­va-se a ci­da­de de João Pessoa, ca­pi­tal do es­ta­do.

Primeira sede da fábrica Dore, em João Pessoa, inaugurada em 1911  Sidney Dore (1869 a 1955), em foto na sala da presidência da empresa


Filho de um ta­be­lião e de uma do­na de ca­sa na Inglaterra, Sidney nas­ceu em Londres, formou-se em en­ge­nha­ria e che­gou ao Brasil com 25 anos de ida­de, pa­ra mon­tar lo­co­mo­ti­vas na Ferrovia Conde D'Eu, em­pre­sa que de­pois pas­sou a se cha­mar Great Western.

No Brasil, o en­ge­nhei­ro casou-se com a pa­rai­ba­na Aide Lucena e mon­tou o que é uma das mar­cas mais só­li­das na his­tó­ria da in­dús­tria dos mer­ca­dos do Rio Grande do Norte e da Paraíba: a an­ti­ga Fábrica de Águas Gasosas Anglo Brasileira, ho­je Dore Refrigerantes.

Sidney Dore, de gravata, com um dos filhos, William Dore


A empresa foi inau­gu­ra­da em 1911 e, no mês de maio pas­sa­do, com­ple­tou 100 anos de fun­cio­na­men­to inin­ter­rup­to, com uni­da­des fa­bris no RN e PB. "Esta foi, pro­va­vel­men­te, a pri­mei­ra fá­bri­ca de re­fri­ge­ran­tes do Nordeste", diz, or­gu­lho­so, o ve­te­ra­no Walter Byron Dore, que co­me­çou a fre­qüen­tar a in­dús­tria aos 10 anos de ida­de. Ele su­ce­deu ao pai e os irmãos mais velhos no co­man­do do em­preen­di­men­to e, ho­je, aos 87 anos, con­ti­nua no con­tro­le da em­pre­sa, dan­do ex­pe­dien­te to­dos os dias e co­bran­do, com a al­ti­vez da ex­pe­riên­cia, o cum­pri­men­to de me­tas dos di­retores e funcionários.

 Equipe Deguste visita as instalações da moderna indústria em Parnamirim


Cinco anos após ter si­do inau­gu­ra­da na Paraíba, a Dore che­gou ao Rio Grande do Norte, pe­la pri­mei­ra vez, em 1916. De iní­cio, com uma se­de na Rua Frei Miguelinho, na Ribeira. Como não en­con­trou, por aqui, um mer­ca­do pro­mis­sor, a uni­da­de foi fe­cha­da e a in­dús­tria só vol­ta­ria ao RN dé­ca­das mais tar­de, em 1952, com 12 ope­rá­rios.
 
Hoje, a fá­bri­ca do Rio Grande do Norte, no Distrito Industrial de Parnamirim, é a ma­triz da em­pre­sa, em­pre­ga cer­ca de 200 fun­cio­ná­rios e abri­ga o es­cri­tó­rio on­de o pa­triar­ca Walter Dore, úni­co dos 7 fi­lhos ain­da vi­vo, co­man­da a ope­ra­ção. "Eu sou o úl­ti­mo dos moi­ca­nos", brin­ca o qua­se no­na­ge­ná­rio. Um fi­lho de Walter  - Walter Dore Júnior - e dois bis­ne­tos de Sidney (a quar­ta ge­ra­ção da fa­mí­lia), Fábio Dore e Marcel Dore, par­ti­ci­pam atual­men­te da ad­mi­nis­tra­ção do ne­gó­cio.

 
Walter Dore, "o último dos moicanos" como ele mesmo se descreve, 87 anos, deu continuidade à indústria que o pai abriu há 100 anos


A Dore pro­duz em gran­de es­ca­la os sa­bo­res tra­di­cio­nais: Dore Cola, Guaraná Dore, Dore Laranja, Dore Limão, Dore Guaraná com Açai, Dore Uva, ICE CO­LA, a tra­di­cio­na­lís­si­ma Grapette, do no­tó­rio slo­gan "Quem be­be Grapette re­pe­te". Dis­tri­bui, também, o ener­gé­ti­co Vulcano.

Dore Refrigerantes
Rio Grande do Norte
Rod. Br 304, S/N
Distrito Industrial de Parnamirim/ RN
Fone: (84) 3643-1991

Paraíba
Av. Parque, 1330
Distrito Industrial de João Pessoa/PB
Fone: (84) 4009-8400



Comentários

  • Deguste
    Jose Nilto disse:

    Parabéns pelos anos de mercado, pois difícil não é crescer e sim se manter.jose nilto MOSSORO

    Responder
  • Deguste
    jose da silva disse:

    Admiro muito uma pessoa assim. Gostaria de lhe conhecer pessoalmente e também a fabrica obrigado.

    Responder
  • Deguste
    Gilberto Targino disse:

    Meu Guarana Preferido e Dore e nosso e do Nordeste e do Brasil.......

    Responder

Deixe seu comentário

voltar <